O beijo na finada

Tão cedo na noite subsistente,

Serei manhã terrível, mas insisto

Em pousar lá na cova eternamente

E em cantos como fósseis que resisto.

 

Tiro-a destas covas, dedo em riste,

A boca sem o lábio preexistente,

Não sobram delas pérolas, só os dentes,

E nos olhos somente vazio existe.

 

Lá, roubo comedido o grande crânio:

Em minhas mãos assalto cemitério

Com o cheiro da morte ou do gerânio.

 

E entre tantos ossos de tom funéreo

Acho-a com belos dentes de titânio,

Tocado por um breu, beijo-a venéreo.

 

____________________________________________________

 

Anúncios
Explore posts in the same categories: sonetos

Tags: ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “O beijo na finada”

  1. Fabio R Says:

    Evocou,

    todo o “spleen” da poesia francesa que infectou por ak nomes como Augusto dos Anjos e Alphonsus de Guimarães( recordando agora este último tem versos como: Mãos de finada, aquelas mãos de neve/De tons marfíneos, de ossatura rica/Pairando no ar, num gesto brando e leve)

    Não sei se por vontade de fazer algo “retrô” ou pelo clima da semana mesmo(na gringa o Halloween Week).E aí donde veio o mote?

    ******

    Mais uma vez vmus as trovas:

    – Há de ser estupidez?
    Amortecido em colapso,
    Ócio tece, me relapso,
    Quase no fim: perco a vez.(fv)

    – De estupidez vive o homem
    Não tem remédio efetivo.
    Talvez um só paliativo
    Nas compras que se consomem.(rf/fv)

    *

    -Agem sem domínio os pés,
    Galgo em desafio as sendas
    Celestes. Busco oferendas,
    Só pra louvar a tua tez.(fv)

    (obs: a partir daq me surpreendeu a resposta não ter ido por um caminho mais brando e até mmo do liríco-amoroso)

    -As solas andam por fé
    Com meus joelhos moendo.
    Não, não! Nem estou podendo:
    Caminho de marcha-ré.(rf)

    – Então dê sua vira-volta
    As sendas, que de celeste
    Esquece, são uma peste
    Que não enrasca, só solta.(rf)

    (obs:confesso ak q tive q pesquisar o sign de duas palavras)

    jazem as sombras,e envolta
    reviso a mágoa que investe
    sob um mote cafajeste:
    disfarça o medo em revolta(fv)

    adoça a ferida o pus
    servido em micro porções
    supera o vinho e as canções
    rogadas ao diabo e a cruz(fv)

    …tá ficando bem obscuro isso ak não acha?

    Falow Rafael,
    um abço


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: