O círculo, o quadrado, o triângulo e o paralelogramo

Círculo

Fênix
quero a palavra certeira
o verso estampido
um tiro no peito

para morrer em rima
morrer em soneto
fatal redondilha

queimar até as cinzas
renascer do avesso

verde e dissolvida
em verso-recomeço

Quadrado

Coelho

Queria eu ajudar essa ruiva festeira
a achar o tal grande soneto esculpido,
para numa só rima acabar com o gemido
e dizer a ela: tu és a grande arteira!

Afinal, apesar de eu sempre me enfeitar
nesses versos contados (por que não regrados?),
amoleço nas redondilhas a cantar
desse fogo ligeiro de amores alados.

Só quero que me cantes belezas da vida,
me digas pra sair do ovo de coelho tonto,
e, assim, num grito de uma recém-nascida

Me faça ver que também eu, assim de pronto,
posso dizer das palavras as mais garridas
e esquecer que toda linha chega a um ponto.

Triângulo

Unicórnio

Corre a ruiva pelo prado
em busca do verso exato
de linha régua e compasso
Perseguida pelo coelho
alvissareiro interessado
em seu fogo ligeiro seu
círculo vermelho

Aparece o unicórnio
azul como o mar a árvore o mel
Observa a cena, enamorado:
nem círculo nem linha mas
triângulo, do qual a minha
crina é cateto principal

Paralelogramo

Homens do Pântano

Minha rima geométrica
é um paralelogramo
Impossível pela métrica
Fica inteiro pelo engano

Uma forma deformada
A poesia desalmada
Cabecinha na almofada
Pra pensar nessa parada

Sou bem fraco em matemática
Sou um lixo geométrico
Sempre sempre a temática
É um universo tétrico

Anúncios
Explore posts in the same categories: poemas alheios, sonetos

Tags: , , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

11 Comentários em “O círculo, o quadrado, o triângulo e o paralelogramo”

  1. Nydia Says:

    UAU!
    Que beleza, coelho fenix. Adorei isto.
    Grandes arteiros.
    beijos


  2. Coelho, Renata:

    Triângulo

    Corre a ruiva pelo prado
    em busca do verso exato
    de linha régua e compasso
    Perseguida pelo coelho
    alvissareiro interessado
    em seu fogo ligeiro seu
    círculo vermelho

    Aparece o unicórnio
    azul como o mar a árvore o mel
    Observa a cena, enamorado:
    nem círculo nem linha mas
    triângulo, do qual a minha
    crina é cateto principal

  3. marcos Says:

    Gostei! mas como já vai tarde, a hora, volto depois, com mais tempo pra apreciar. ab.

  4. Ti Says:

    Que orgulho!


  5. Muito bom, como sempre…

    troquei o endereço do blog
    poemaEfilosofia.blogspot.com

    abração e bom findi!


  6. Minha rima geométrica
    é um paralelogramo
    Impossível pela métrica
    Fica inteiro pelo engano

    Uma forma deformada
    A poesia desalmada
    Cabecinha na almofada
    Pra pensar nessa parada

    Sou bem fraco em matemática
    Sou um lixo geométrico
    Sempre sempre a temática
    É um universo tétrico


  7. ahahah, vocês dois deviam publicar juntos!

  8. Tandera Says:

    Somos alguns com várias personalidades. Jonny num sou eu naum. Mas a idéia é a mesma caro Coelho.

  9. joao~grando Says:

    Essa turma aí é fogo.
    Até me veio um pentágono à cabeça, mas aí ele virou estrela, virou fogo, virou fumaça.
    Essa turma aí é(são) estrela(s).

  10. Fênix Says:

    Com muito atraso, eu vi o Paralelograma (o?)

    Adorei tudo!!!!!!

    E o João vem com promessa feita de fumaça e estrela — ah, deu vontade!

    beijoooooooooooooooooo Coelhildo!

  11. thaisa Says:

    nao achei o que eu queria
    nossa escreva mais poemas com a palavra fenix


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: