O super-moleque

O moleque já é quase biônico,

Feito uma máquina comia rápido,

Sempre super pra fazer o de hábito.

Todo dia um pouco mais de tônico.

 

Rodas? jogos? esconde? pega?

Ele está é ligado ao seu mundo

Sua mãe reclama por um segundo:

Doce de estranhos ele nunca nega”.

 

Edições amontoadas de revistas,

Jogos cromados de herói maniqueísta,

Fast-food sem um nutricionista.

 

Mas o moleque não era um bobo,

Pois tinha amigos por todo o globo.

Triste é que não saía do seu ovo. 

Anúncios
Explore posts in the same categories: sonetos

Tags: ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

5 Comentários em “O super-moleque”


  1. Cada vez, que venho aqui, não tenho como ficar triste. É o poder da amizade… e das palavras. Abração!

  2. Nydia Says:

    Moleques… Um dia saem da casca. Ou não?
    O que será desta geração de meninos internautas compulsivos? O que será de nós, que andamos todos compulsivos… :))
    beijo
    Nydia


  3. Curti muito este poema dos meninos internéticos de hoje!
    “Doce de estranhos ele nunca nega” – gostei disso. Abração, bom carnaval

  4. Fabio R. Says:

    Videogames, revistinhas escondidas debaixo do colchão,
    lanchonete do pato Donald’s, este soneto é cara do “sonho americano”(mas serve o sonho de gov.valadares tbm)

    Bem como esse mulek tbm tenho amigos por todo o globo só que a maioria deles já está morta, mas é pra falar de dois ainda vivos que comecei esse rodeio todo achei numa antologia dos EUA,sobre poesia coreana contemporânea:

    Kyuwon (1941-)

    Essa é minha vida

    um homem e uma mulher(eles tem
    rostos coreanos)estão
    caminhando no deserto

    Um homem e uma mulher( o homem
    usa um chapéu de vaqueiro
    e está olhando fixamente em frente- um homem
    sem dúvida; e a mulher em uma pose sensual
    olhando fixamente para a câmera-
    uma mulher realmente) estão caminhando no deserto

    As únicas palavras escritas são estas
    vindas de um anúncio do Dongil Renown:
    “ESTÁ É MINHA VIDA—vida humilde”

    ( é humilde!)
    Vida humilde, oh , a imensidão
    dos simbolos do deserto!
    No deserto, não existe uma única pedra aremessada
    em direção a testa da vida—

    *****

    Chang Chong-il’s (1962- )

    Meditando sobre Hamburgueres(trecho)

    -um poema composto tal como uma caminho que pode ser usado como uma receita de família
    Há muito tempo eu costumava meditar sobre ouro ou sonhos,
    coisas muito duras ou transparentes.

    Mas agora irei meditar sobre coisas porosas também.
    o que irei demonstrar hoje é uma meditação feita sobre hamburgueres;
    uma meditação que qualquer um pode fazer facilmente sem muitos ingredientes,
    mas uma cheia de sabor e nutritiva, no entanto.

    … Quão saúdavel tem sido essa meditação!
    no fim de um periodo de complicadas meditações, cheia de direcionamentos e especificações,
    no estilo com o qual o petisco Americano vem sendo produzido, tostado e nutritivo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: